sexta-feira, 19 de maio de 2017

Google para educação

Mais de 45 Milhões de Alunos Utilizam as Ferramentas do Google

O Google for Education é utilizado nas mais prestigiadas escolas e faculdades dos Estados Unidos e Europa. Chega ao Brasil com o objetivo de revolucionar o ensino com auxílio da tecnologia. A solução contempla aplicativos de produtividade do G Suite, conteúdo educacional do Google Play e dispositivos Chromebook e Tablets para alunos e professores.


Comunicação e Produtividade

Alunos, professores e gestores educacionais com acesso ao melhor email do mercado, ferramentas de comunicação, armazenamento, organização e segurança para sua escola alcançar novos níveis de aprendizado.


Dispositivos Especiais

A Google criou todas as ferramentas para que elas fossem fáceis de aprender mesmo para pessoas com pouca experiência no uso de aplicativos e sua escola ainda conta com o treinamento mais completo do Brasil.

Planos para Aulas Digitais

Nunca mais perca documentos criados ao longo de sua vida acadêmica. Controle simples sobre acessos a pastas e arquivos. Monitoramento 24 horas por dia. As mais altas certificações de segurança do mundo.


Fonte: http://www.qinetwork.com.br/educacao/#/swipe-slider/1

O celular pode ser o melhor aliado do professor no aprendizado


Por Gustavo Hoffmann*
Uma pesquisa recente da Unesco mostrou que 67% dos estudantes de países em desenvolvimento e emergentes que leem pelo celular consideram o aparelho conveniente para a leitura, porque o dispositivo está o tempo todo com o usuário. Afinal, a mobilidade, disponibilidade de WiFi e redes móveis nas instituições de ensino permitem o acesso a conteúdos de qualidade. Mas, muitas vezes, eles são os vilões do processo de ensino por causa do entretenimento com games, redes sociais e conteúdos irrelevantes para o contexto da aula exposta pelo professor. Como a maioria dos alunos do Ensino Superior é nativa digital e está sempre conectada, na sala de aula não é diferente – o celular acompanha o estudante em qualquer lugar, forçando os professores a se adaptar a essa realidade.

O celular e o aprendizado

No modelo de sala de aula tradicional, o expositivo, a tecnologia é vista como o fim e não como o meio para alcançar um determinado objetivo. Muitas vezes, o professor expõe o conteúdo, e faz o papel de ‘sábio do palco’, e um mesmo ritmo de ensino é imposto para todos os alunos, que se tornam agentes passivos da aprendizagem. Muitas vezes, nesse tipo de aula, o celular concorre e ganha do professor na atenção do aluno, que pode checar informações em tempo real, acessar qualquer outro conteúdo mais atrativo, e, se a apresentação do professor não for interessante, o WhatsApp e as redes sociais serão. A maioria dos professores não gosta disso, pois os dispositivos móveis são como uma ameaça ao bom andamento da aula.
Já as metodologias ativas de aprendizagem exigem mais do aluno em sala de aula, pois ele não se torna apenas um ouvinte. A tecnologia media sua participação e os dispositivos móveis são indispensáveis por permitirem o acesso ao conteúdo e promoverem a interação entre alunos e professores. Na aplicação do processo de aprendizagem por pares, ou Peer Instruction, por exemplo, o uso dos dispositivos é parte do processo. A proposta das metodologias ativas faz com que o aluno se torne responsável pela busca e construção do conhecimento por meio de atividades que partem de um problema, e o conteúdo é a ferramenta utilizada para apoiar a solução. O acesso pode ser feito em qualquer hora e lugar, quantas vezes o aluno quiser ou precisar, por meio dos dispositivos móveis.
Nesse sentido, um ambiente virtual de aprendizagem é indispensável, pois ele ajudará a instituição a organizar o conteúdo e disponibilizá-lo no formato de vídeo-aulas, podcasts, textos, games e outros objetos que não apenas atraem esse novo aluno conectado, mas facilitam o processo de aprendizagem e respeitam o ritmo de cada indivíduo. Ou seja, a aula (acesso ao conteúdo) acontece fora da sala e a lição de casa (resolução de problemas) na instituição, e por isso, o termo sala de aula invertida ou “Flipped Classroom”. É difícil desvincular esse modelo do uso dos dispositivos móveis.

Modelo tradicional x metodologias ativas

Enquanto no modelo tradicional o uso do celular pode comprometer o processo de aprendizagem, em metodologias ativas o mobile é um grande aliado, quando bem aplicado. Com o apoio de um bom software de aprendizagem com integração para o mobile o aluno pode ter mais acesso conteúdo, dinâmica na interação com o professor e, por fim, o ambiente de aprendizagem criado se trona mais lúdico, com a inclusão de games educacionais ou outras ferramentas que podem transformar a experiência em sala de aula.
Por isso, as instituições devem ter em mente que a tecnologia é um facilitador para o engajamento do aluno, mas que deverá estar sustentado por toda metodologia pedagógica. Rever o atual modelo de ensino não é uma tarefa simples, porque é preciso romper barreiras e pensar em novas metodologias de ensino e aprendizagem, mas é uma mudança que vale a pena.
*Parceiro da Blackboard Brasil, pró-reitor da UNIPAC e diretor acadêmico e de EAD do Grupo Alis Educacional
Fonte: http://www.desafiosdaeducacao.com.br/celular-pode-ser-melhor-aliado-professor-aprendizado/

Unesco recomenda o uso de celulares como ferramenta de aprendizado

Manual para governos dá motivos e dicas de como aproveitar a tecnologia móvel para garantir melhores resultados na escola

A Unesco publicou um guia com 10 recomendações para governos implantarem políticas públicas que utilizem celulares como recurso nas salas de aula. O guia, apresentado em Paris na semana passada durante a Mobile Learning Week, traz ainda 13 bons motivos para ter esse aliado na educação.
“Cada país está em um nível diferente no uso das tecnologias móveis em sala de aula. Por isso, é importante que cada um use o guia adaptado às suas necessidades locais”, diz Steve Vosloo, coordenador do projeto. O especialista conta que a ideia de lançar essas recomendações surgiu a partir da constatação de que, mesmo considerando o uso das tecnologias em sala de aula algo pedagogicamente importante, muitos governos não sabiam por onde começar.

O Dia
Pesquisa no Brasil mostrou que alunos levam celular para escola, mas aprovam proibição de uso

Para ele, a questão do acesso já está avançada e o problema agora é dar significado a esse uso. Especialistas da Unesco espalhados pelo mundo começaram a elaborar um guia com orientações que servissem a qualquer governo, independentemente do grau de maturidade que o país estivesse nesse debate.
O documento começa com uma orientação que parece simples: ter políticas que incentivem o uso das tecnologias móveis em sala de aula. Isso pode querer dizer tanto criar políticas da estaca zero ou ainda atualizar políticas que foram criadas no momento em que as tecnologias móveis ainda não eram tão acessíveis. “As diretrizes políticas relacionadas ao aprendizado móvel que forem criadas devem estar em harmonia com as que já existirem no campo das TIC (Tecnologia de Informação e Comunicação)”, afirma a Unesco no documento.
Na sequência, o guia traz à luz a necessidade de se treinar professores e de fazer isso com o uso de tecnologias móveis, para que eles também se apropriem dessas ferramenta na vida deles. “No Brasil, os professores têm certa resistência em incorporar novas tecnologias. A sala de aula ainda é o lugar de desligar o celular”, afirma Rebeca Otero, coordenadora de Educação da Unesco no Brasil, que avalia que parte disso se deve ao fato de o professor ainda não estar completamente familiarizado com essas ferramentas. “Isso faz com que muitas oportunidades educacionais se percam, especialmente no ensino médio, época em que o aluno já está ligado e nas redes.”
Outras recomendações presentes no documento dizem respeito à criação de conteúdo adequado e à promoção do uso seguro e saudável das tecnologias. Com essas orientações, acredita a Unesco, os governos estarão mais próximos de usufruir dos benefícios do aprendizado móvel, dentre eles ampliar o alcance e a equidade da educação e facilitar o aprendizado personalizado.
Confira, a seguir as 10 recomendações e os 13 bons motivos para se usar tecnologias móveis em sala de aula:
10 recomendações aos governos:- Criar ou atualizar políticas ligadas ao aprendizado móvel
- Conscientizar sobre sua importância
- Expandir e melhorar opções de conexão
- Ter acesso igualitário
- Garantir equidade de gênero
- Criar e otimizar conteúdo educacional
- Treinar professores
- Capacitar educadores usando tecnologias móveis
- Promover o uso seguro, saudável e responsável de tecnologias móveis
- Usar tecnologia para melhorar a comunicação e a gestão educacional 
13 motivos para tornar o celular ferramenta pedagógica:- Amplia o alcance e a equidade em educação
- Melhora a educação em áreas de conflito ou que sofreram desastres naturais
- Assiste alunos com deficiência
- Otimiza o tempo na sala de aula
- Permite que se aprenda em qualquer hora e lugar
- Constroi novas comunidades de aprendizado
- Dá suporte a aprendizagem in loco
- Aproxima o aprendizado formal do informal
- Provê avaliação e feedback imediatos
- Facilita o aprendizado personalizado
- Melhora a aprendizagem contínua
- Melhora a comunicação
- Maximiza a relação custo-benefício da educação
Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2013-03-03/unesco-recomenda-o-uso-de-celulares-como-ferramenta-de-aprendizado.html

    4 motivos que mostram que usar o celular na sala de aula pode ser algo bom

    O uso do celular na sala de aula sempre foi proibido e muito malvisto pela maioria dos professores, não é mesmo? Porém, atualmente, o celular deixou de ser apenas um mecanismo de distração para o aluno e passou a figurar como um recurso novo, que, quando bem utilizado, pode auxiliar no processo de aprendizagem. Ainda não se atualizou a esse ponto? Então confira agora mesmo 4 dos diversos motivos que mostram que usar o celular na sala de aula pode ser bom! Acompanhe:

    O processo atual é de expansão da sala de aula

    O celular é capaz de levar o conhecimento juntamente com o aluno a qualquer lugar que ele vá. Ao contrário do que acontece com os cadernos, que os estudantes guardam na mochila e só olham no outro dia, o celular continua sendo utilizado após o final da aula. Sendo assim, utilizar o aparelho na sala pode ser uma forma bem interessante de expandir a capacidade do aluno na busca por conhecimento, além de proporcionar aos professores a implementação de uma novidade mais que berm-vinda no processo de aprendizagem. Nesse novo cenário, professores e alunos podem compartilhar materiais de estudo, encontrando vídeos e artigos interessantes na internet para servirem de referência e auxiliar em determinada tarefa, por exemplo. E os alunos também podem tirar dúvidas uns com os outros por meio de mensagens instantâneas ou grupos de discussão.

    Os jovens simplesmente adoram tecnologia

    Utilizar a tecnologia como uma ferramenta de apoio à educação pode ser uma estratégia bem produtiva para os alunos, uma vez que eles normalmente adoram celulares, tablets, computadores e outros diversos aparatos tecnológicos — tanto que esses gadgets estão sempre presentes em seu dia a dia. Assim, o fato de poderem usar esses recursos para o estudo pode acabar aumentando sua motivação e, consequentemente, aumentando o engajamento da turma na sala de aula.

    O investimento em tecnologia para a educação é cada vez maior

    Nos países mais avançados, o investimento em tecnologias que auxiliem o processo educacional é cada vez maior — na Inglaterra e nos Estados Unidos, por exemplo, a verba para a tecnologia é, muitas vezes, até maior do que a verba para a educação em si! Essa tendência de se desenvolver tecnologias que estejam presentes no mundo educacional só ajuda a confirmar que a utilização do celular na sala de aula definitivamente não é mais tão errado assim, não concorda?

    Os aplicativos educacionais já são realidade no mercado

    Hoje em dia já existem diversos aplicativos voltados para a educação, além de muitos jogos já terem sido desenvolvidos utilizando a técnica de gamification para ensinar de um jeito mais descontraído. Isso sem contar que também já existem empresas especializadas em sotfwares para a área da educação, que possibilitam o controle de cronogramas, a entrega de atividades e a disponibilização de conteúdos extraclasse, por exemplo. A moral da história é que existe toda uma linha de produtos tecnológicos voltados para a educação que não só pode como deve ser aproveitada por professores a fim de proporcionar aos alunos novas formas de aprender.
    O Google, por exemplo, que já é considerado uma importante ferramenta de auxílio aos estudantes, possui uma linha de aplicativos totalmente voltada ao ensino: o Google for Education. A plataforma, além de contar com a garantia de qualidade dessa gigante das buscas on-line, ainda é capaz de se integrar aos dispositivos móveis. Mais facilitado que isso é até difícil!
    Viu como a tecnologia e a educação estão cada vez mais próximas? É hora, então, de incentivar as escolas e os professores a considerarem o aparelho como um verdadeiro aliado da sala de aula, não acha? E você, já implementou essa inovação em suas aulas? Comente aqui e divida conosco suas experiências!
    Fonte: https://www.qinetwork.com.br/4-motivos-que-mostram-que-usar-o-celular-na-sala-de-aula-pode-ser-algo-bom/

    12 DICAS PARA CRIAR UMA BOA AULA NO POWERPOINT



    O PowerPoint, software de criação, edição e apresentação de slides, surgiu em setembro de 1987 (versão 1.0). Desde então, vem melhorando seus recursos e permitindo inserir multimídias (vídeos, animações e áudios).  É talvez o software mais popular do mundo sendo usado nas apresentações de empresários, políticos, economistas, publicitários, cientistas, mestrandos, doutorandos, estudantes do ensino básico e… professores. Mas a popularidade do PowerPoint não é igual aos seus resultados, isto é, nem toda apresentação consegue transmitir informações claras e manter a atenção da plateia. 

    Dormir durante a apresentação de PowerPoint é tão comum que já existem empresas de consultoria especializadas em apresentações corporativas. Elas constroem apresentações criativas e convincentes para vender produtos, ideias e serviços. Uma situação muito distante da realidade do professor que dificilmente contará com uma assessoria especializada e possui pouco tempo para preparar a sua própria apresentação. Desorientado sobre a linguagem do PowerPoint, a tendência do professor é transferir para o slide a velha aula expositiva. Um recurso tecnológico moderno não funciona com métodos de ensino antiquados. Daí entender o comentário de um professor a este blog:  “Tenho usado o PowerPoint, mas tenho percebido que os alunos não gostam muito, ou apresentam mais dificuldades para entender a matéria”. 

    Reunimos, então, algumas dicas simples que podem melhorar sua apresentação de PowerPoint tornando-a mais atraente e eficiente. 

    1. Slide-mestre Para o slide-mestre escolha um fundo de cor neutra e suave. Boas opções são: bege, cinza claro, azul claro e verde claro – cores que descansam o olhar e dão um bom contraste para textos em preto e imagens coloridas. Fundos branco e negro costumam cansar a leitura. Mas o fundo escuro pode ser uma boa opção para um slide que você pretende destacar e despertar maior atenção do aluno. Assim, durante uma apresentação com fundo de cor clara, a entrada de um slide de fundo escuro (preto, azul marinho, roxo, vinho, verde escuro etc.) com letras luminosas (branco, amarelo, laranja etc.) causa forte impressão para um título impactante como “Crise”, “Revolução”, “Guerra”ou “Cai na prova!”. É interessante inserir, no slide-mestre, o título ou um subtítulo. Isso ajuda aos alunos distraídos a não perderem atenção ao tema apresentado. O slide-mestre pode, também, trazer o nome e apelido do professor junto com o ano em que foi feito, personalizando o trabalho que, muitas vezes, cai nas redes sociais. O slide-mestre é a moldura principal de sua apresentação que armazena informações como título, plano de fundo, cor e fontes. Você pode criar mais de um slide-mestre para a mesma apresentação. 

    2. Slide de abertura Esse é o primeiro slide de sua apresentação e deve trazer: título e, se necessário, subtítulo (s). Os subtítulos podem ser interessantes para antecipar aos alunos o roteiro e o conteúdo da apresentação. Insira uma imagem significativa para a abertura da apresentação. 

    3. Tamanho da apresentação Para uma aula de 35 minutos (já descontando o tempo de chamada e de preparação do equipamento), uma boa apresentação tem entre 16 e 20 slides, incluindo abertura e fechamento. Um número exagerado de slides lhe obrigará a acelerar a apresentação e deixar a turma perdida, ou pior, você não conseguirá chegar ao final. Portanto, selecione criteriosamente os textos e as imagens que vão compor sua apresentação. Tenha em mente de que o PowerPoint é um recurso para reforçar um tema e NÃO para esgotar o assunto.

    4. Conteúdo do slide Continua valendo a dica anterior: quanto menos, melhor. Textos extensos costumam disputar a atenção dos alunos com o professor. O olhar é um mecanismo sensorial muito mais poderoso do que os ouvidos. É praticamente impossível ao aluno ler um texto e, ao mesmo tempo, prestar atenção à explicação do professor. Portanto, limite-se a um texto pequeno de, no máximo, 6 linhas acompanhado de uma única imagem (foto, gráfico, desenho, mapa etc). Se optar por um texto em tópicos, não coloque mais do que 8 itens. Eles devem estar espaçados e cada um ocupar, no máximo, 2 linhas. Se for inserir 2 ou mais imagens, cuidado com sua disposição no slide para não parecer uma colcha de retalhos ou um painel caótico. Isso cansa e dispersa a atenção. Tenha cuidado e capricho observando o espaçamento entre as imagens, sua distribuição e a estética da composição. Dessa forma você obtêm uma aparência agradável e valoriza a mensagem que está transmitindo. Exemplo de slide poluído de informações: apresentação do Windows Live por Bill Gates. 

    5. Cuidado com a ortografia Esse é um cuidado essencial especialmente por se tratar de uma apresentação do professor. Um único escorregão com a língua portuguesa pode por tudo a perder. Atenção, também, à grafia dos nomes e às datas. A ordem é revisar, revisar e revisar de novo. 

    6. Fontes (tipos de letras) Evite utilizar fontes com excesso de detalhes (com serifa). Prefira Arial, Tahoma ou Colibri. Para o título use tamanho entre 40 e 44 pontos, subtítulo 34 ou 36 pontos. Para textos, os tamanhos ideais são 26 e 28 pontos. O menor tamanho aceitável é 24. Limite o uso de itálico. Um texto inteiro em itálico é visualmente desconfortável. O itálico só funciona para destacar uma palavra ou uma expressão. A mesma regra vale para o negrito e o sublinhado. Se quiser dar destaque para uma frase (por exemplo, uma citação), use aspas. Da mesma forma, não use maiúscula em frases ou textos inteiros. É visualmente desagradável e parece que você está gritando. Apresentação do PowerPoint 2.0: exemplo de um slide nada criativo, enfadonho, poluído visualmente, uso de fonte pequena inelegível à distância. 

    7. Efeitos de transição das imagens e textos Essa é a armadilha mais comum de um PowerPoint mal feito. Colocar efeitos variados para a entrada e saída de cada imagem e cada texto cria uma overdose que mais irrita do que surpreende. Textos que entram devagar, letra por letra faz a plateia soletrar as palavras e sentir-se semianalfabeta. Efeitos que ficando piscando ou mudando de tamanho distraem a atenção e cansam visualmente. Escolha poucos efeitos e somente para algumas imagens e textos. Lembre-se, é o seu discurso e retórica que devem causar efeito, não o slide. 

    8. Recursos multimídias Você pode inserir vídeos, animações e áudios (música e entrevista) em sua apresentação tornando-a mais dinâmica. Lembre de calcular o tempo: um recurso multimídia certamente exigirá que você diminua a quantidade de slides em sua apresentação. Você pode até usar elementos engraçados, se o tema permitir, mas não exagere, pois sua  apresentação poderá ficar infantil.  

    9. Durante a apresentação A função dos slides é dar suporte e ilustrar a sua fala. Não é um script de sua aula. Portanto, não fique lendo os textos o tempo todo. Há várias maneiras de apresentar cada slide dando maior dinamismo à sua aula e, principalmente, valorizando sua apresentação. Alguns exemplos:  Acrescente informações que complementam o texto e/ou a imagem. Faça a conexão entre texto e imagem. Explique o gráfico. Verifique se todos estão enxergando bem os dados do gráfico. Interprete a caricatura, a charge ou o cartum. Identifique os personagens, destaque simbolismos e significados das figuras. Faça a leitura do esquema (ou mapa mental) mostrando aos alunos as conexões entre os itens. Traduza as flechas e linhas de ligação usando verbos (“tal fato resultou nesse acontecimento”, “esses elementos caracterizaram o movimento tal” etc). Leia o mapa destacando os elementos da legenda. Localize no mapa o que for importante: cidade, reino, avanço de tropas, conquistas etc. Articule o conteúdo do slide a um slide anterior mostrando o encadeamento de ideias ou fatos. Associe o tema do slide a um assunto comentado em classe ou pelas redes sociais. Peça aos alunos para citar exemplos. Destaque um conceito citado no texto e verifique se a turma o domina. Informações básicas, fonte legível, imagem e texto articulados. A frase “Observe” é um bom recurso para dinamizar a apresentação. 

    10. “Escreva” no slide durante a apresentação Este é um excelente recurso do PowerPoint para o professor. Durante a apresentação você pode destacar uma palavra, uma frase ou qualquer outro item do slide traçando uma linha ou um círculo. Basta clicar sobre o slide, com o botão direito do mouse, e escolher “Opções de ponteiro”. Nesse menu, escolha uma caneta ou o marca-texto. Feito isso você poderá “escrever” no slide e incluir os destaques que quiser. Assim que a apresentação terminar ou você mudar de slide, o programa perguntará se você quer salvar estas alterações. 

    11. Slide de fechamento O último slide é outra peça fundamental de sua apresentação: momento de reforçar os pontos principais que foram apresentados. Faça uma síntese em tópicos do tema principal. Não exagere: 8 tópicos no máximo, se quiser que os alunos fixem o que foi apresentado. O slide de fechamento pode servir, também, para referenciar a apresentação ao livro didático. Neste caso, uma frase do tipo “Este tema está no seu livro/apostila, com o título ___,  págs. __ a __” servirá de orientação ao estudo do aluno. Outra possibilidade, é encerrar a apresentação com 1 ou 2 perguntas, ou citar temas de pesquisa para a turma que permitam aprofundar o conteúdo apresentado. 

    12. Imprima a apresentação Facilite o estudo do aluno entregando-lhe, antes da apresentação do PowerPoint, a sua versão impressa. Use o recurso de impressão de 2 slides por página. Isso permitirá ao aluno acompanhar suas explicações sem precisar ficar copiando cada slide. Sua atenção deve estar na explicação do professor e não na cópia. Além disso, ele poderá fazer anotações em cada slide incluindo as informações extras que você transmite durante a apresentação. Bom trabalho!



    Fonte: http://www.ensinarhistoriajoelza.com.br/12-dicas-criacao-aula-power-point/